TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

* Jornal Enfim: desde 2010
http://jornalenfimscs.wix.com/jornal



PESQUISE ESTE BLOG

terça-feira, 29 de junho de 2010

Confiar

Confiar
Fiar
Tecer
Significados que se entrelaçam

Assim como um tecido
Tecemos o encontro

Para tecer é preciso antes fiar
E isto cabe a cada um


Seda
Algodão

Não importa

Atenção e dedicação
É o que importa

Respeitando a fibra
Com delicadeza
E precisão

No encontro
Entrelaçando os fios
Se faz o tecido

Nem meu
Nem seu

Nosso

Sua trama revela

A qualidade do tecido está nos fios
A qualidade dos fios está no fiar
A qualidade do fiar
Mostra a condição do confiar

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

domingo, 27 de junho de 2010

E Agora?


Agora estou bem
Mas não estava
Não sinto mais dor
Mas senti

Onde estavam aqueles que podiam me ajudar?
Onde estavam aqueles que podiam mudar minha história?
Onde estavam aqueles que diziam me amar?

Agora estou bem
Mas não estava

Quem podia me ajudar disse que fez sua parte
Mas não podia fazer mais

Fazer sua parte não basta
Todos precisam fazer sua parte

Apanhei
Chorei
Senti medo
Fugi

Mandaram-me de volta

Apanhei
Chorei
Senti medo
Morri

Onde estavam aqueles que deviam me ajudar?
Onde estavam aqueles que deviam acreditar em mim?

Agora não sinto mais dor
Agora não sinto mais medo

Mas e agora?

Até quando iguais a mim terão que pagar pelos erros de todos?

Fazer sua parte não basta
Todos precisam fazer sua parte

E agora?

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Saudade


Saudade

É como a onda do mar
Às vezes vem forte e derruba
Às vezes é suave e apenas toca

Saudade

Saudade de quem se ama
Saudade por não ver

Saudade

É uma alegria que está na memória
E uma vontade de ter ao lado
Quem não está
Mas chegará

A espera faz sentir saudade
De quem se ama
De quem não chega
Mas chegará

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Fogão à Lenha


Observando uma fogueira lembrei-me de minha avó, baba Anna. A chama robusta, sua cor, o estalar da lenha, seu cheiro característico. Tudo me trouxe de volta aquela mulher pequena na estatura, mas imensa em sua sabedoria e coração.
Lembrei-me do seu fogão à lenha e de suas panelas de ferro a cozinhar o alimento, que preparava com atenção e presteza. Minha querida baba Anna, quanta saudade! Saudade das histórias que contava para meu irmão e eu antes de dormir. Era expressiva e entusiasmada, sua voz era sempre suave e firme ao mesmo tempo.
Ela era ímpar. Sabia preparar boas conservas. Plantava, bordava, manejava o tear com precisão. Conhecia a natureza do dinheiro. Cantava, orava, abençoava. Soube defender a vida de seus filhos dos horrores da guerra até migrar da Ucrânia para o Brasil. Era carinhosa e ao mesmo tempo austera quando cobrava perfeição.
Incansável, dormia pouco e trabalhava muito. Sempre ao lado de meu avô, parecia que as dificuldades não a incomodavam, pois não reclamava, apenas trabalhava. Quanta saudade eu sinto da minha baba Anna!
Queria tê-la ao meu lado, ouvi-la novamente, sentir seu afeto e seu abraço. Quanta falta isso faz! Quanta falta uma verdadeira mulher faz num lar! É ela que mantém este lar aquecido e aconchegante. É ela que mantém a união. É ela que cuida da vida! É ela uma sacerdotisa a cuidar do fogo que transforma  e mantém a vida por todo o tempo!
Foi o fogo que a me fez lembrar! E aos poucos fui percebendo o quanto ela havia me influenciado com suas atitudes. Foi com ela que aprendi a gostar das flores e da terra. Foi com ela que aprendi a bordar observando-a com seus tapetes de sacos de batata. Foi com ela que aprendi a cantar, orar, lutar, abraçar. Foi com ela que aprendi como é ser uma verdadeira sacerdotisa, uma verdadeira mulher.
Minha querida baba Anna, como eu ficaria feliz ao senti-la novamente perto! Guardo sua foto, a cruz que deu para meu batismo. Guardo seu sorriso e seu brilho no olhar. Guardo-a em meu coração. Guardo-a em minha memória para que me guie nesta difícil tarefa de ser mulher. Sinto-me feliz por tê-la como um exemplo de força feminina.
O tempo passa e a consciência de sua importância em minha vida aumenta, provocando em meu coração alegria, saudade e uma imensa vontade de ser igual, de ser também uma sacerdotisa, de ser também uma verdadeira mulher.
Sorte a minha em ter seu sangue em meu sangue!
Sorte a minha em ter seu coração em meu coração!

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.