TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

* Jornal Enfim: desde 2010
http://jornalenfimscs.wix.com/jornal



PESQUISE ESTE BLOG

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Fogão à Lenha


Observando uma fogueira lembrei-me de minha avó, baba Anna. A chama robusta, sua cor, o estalar da lenha, seu cheiro característico. Tudo me trouxe de volta aquela mulher pequena na estatura, mas imensa em sua sabedoria e coração.
Lembrei-me do seu fogão à lenha e de suas panelas de ferro a cozinhar o alimento, que preparava com atenção e presteza. Minha querida baba Anna, quanta saudade! Saudade das histórias que contava para meu irmão e eu antes de dormir. Era expressiva e entusiasmada, sua voz era sempre suave e firme ao mesmo tempo.
Ela era ímpar. Sabia preparar boas conservas. Plantava, bordava, manejava o tear com precisão. Conhecia a natureza do dinheiro. Cantava, orava, abençoava. Soube defender a vida de seus filhos dos horrores da guerra até migrar da Ucrânia para o Brasil. Era carinhosa e ao mesmo tempo austera quando cobrava perfeição.
Incansável, dormia pouco e trabalhava muito. Sempre ao lado de meu avô, parecia que as dificuldades não a incomodavam, pois não reclamava, apenas trabalhava. Quanta saudade eu sinto da minha baba Anna!
Queria tê-la ao meu lado, ouvi-la novamente, sentir seu afeto e seu abraço. Quanta falta isso faz! Quanta falta uma verdadeira mulher faz num lar! É ela que mantém este lar aquecido e aconchegante. É ela que mantém a união. É ela que cuida da vida! É ela uma sacerdotisa a cuidar do fogo que transforma  e mantém a vida por todo o tempo!
Foi o fogo que a me fez lembrar! E aos poucos fui percebendo o quanto ela havia me influenciado com suas atitudes. Foi com ela que aprendi a gostar das flores e da terra. Foi com ela que aprendi a bordar observando-a com seus tapetes de sacos de batata. Foi com ela que aprendi a cantar, orar, lutar, abraçar. Foi com ela que aprendi como é ser uma verdadeira sacerdotisa, uma verdadeira mulher.
Minha querida baba Anna, como eu ficaria feliz ao senti-la novamente perto! Guardo sua foto, a cruz que deu para meu batismo. Guardo seu sorriso e seu brilho no olhar. Guardo-a em meu coração. Guardo-a em minha memória para que me guie nesta difícil tarefa de ser mulher. Sinto-me feliz por tê-la como um exemplo de força feminina.
O tempo passa e a consciência de sua importância em minha vida aumenta, provocando em meu coração alegria, saudade e uma imensa vontade de ser igual, de ser também uma sacerdotisa, de ser também uma verdadeira mulher.
Sorte a minha em ter seu sangue em meu sangue!
Sorte a minha em ter seu coração em meu coração!

4 comentários:

  1. Que belíssimo texto, intenso em sentimentos! Parabéns!
    Tanta bravura e candura mescladas!
    Feliz de você que teve a alegria de poder compartilhar com ela momentos tão singulares, momentos que atravessam a eternidade.

    ResponderExcluir
  2. Querida Regina.

    Bravura e candura, características que definem uma verdadeira mulher! Disse bem!!

    Beijo.

    Ala.

    ResponderExcluir
  3. Linda sua avó Anna e você , querida Ala!!! Sua alma está refletida nesse olhar franco e transparente que você carrega pela vida!
    Que as flores enfeitem e perfumem sempre o seu caminho!
    E nunca deixe de escrever, que nas palavras escritas, ficam registrados seus sentimentos e sua sensibilidade!

    Muitos beijos de carinho!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Jac!
    Suas palavras me incentivam a continuar. Seu carinho demonstram sua beleza de alma.

    Com admiração pelo seu trabalho e seus escritos!

    Abraço sincero,

    Ala

    ResponderExcluir

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.