TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

PESQUISE ESTE BLOG

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Comedores de Almas

                                          
Olhar penetrante
Invasivo
Face pálida
Comedores de Almas
Suas Almas perderam ou venderam

Ditam ordens

Impõem
Medo
Silêncio
Desconforto
Dúvida
Tristeza
Divisão

Sem Alma
Destroem
Para o silêncio permanecer

O silêncio que obedece
Atrofia sua Alma
Para o deleite dos comedores de Almas.

 © Direitos reservados a Ala Voloshyn

Ilustração: Imagem da Web.




quinta-feira, 14 de abril de 2011

Maria da Penha


Lei 11340/06 ou Lei Maria da Penha trata da violência contra a mulher e a define como sendo “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.”
Esta Lei é um avanço sem dúvida, mas muito ainda temos a realizar neste campo e isto inclui fundamentalmente mudança nas nossas atitudes.
É necessária uma vigilância constante em relação ao que acontece conosco, o meio ambiente e seu resultado. Temos muito a modificar dentro de nós, precisamos encontrar um espaço diferente numa sociedade que ainda tem no gênero masculino seu condutor, mesmo que tenhamos conquistado direitos e aumentado com isto nossos deveres.
Sinto muita tristeza quando leio notícias que mostram mulheres agredidas, violentadas ou mortas. Por quanto tempo ainda viveremos esta violência nos seus diversos graus, numa escala que vai desde a mais simples e velada agressão até àquela que se transforma em manchete de jornal? Ser mulher é tão bom, tão rico, tão importante para a natureza! Por quanto tempo ainda nos deixaremos agredir?
Quando o agressor é um grosso, machista, prepotente, fica claro identificá-lo, mas e quando ele é educado, tem nível superior e parece manso de sentimentos e atitudes, como identificá-lo? A agressão velada é tão perigosa quanto a declarada.
Então vamos lá, meninas, vou tentar descrevê-la!
Ele é seu companheiro, diz que a ama, manda-lhe flores por puro mimo e carinho. É perfumado, paga a maioria das contas, mesmo porque dinheiro ele tem e quer deixar claro que você está “segura” financeiramente com ele. Incentiva sua carreira, mas nem sempre está disposto a lhe ajudar quando o tempo aperta e você fica sobrecarregada. Diz que é linda, mas emagreceu demais! Quando ele está em apuros logo a solicita para ajudá-lo, mesmo que você não tenha tempo disponível para isto, mas ele insiste, pois você é uma super mulher que dá conta de tudo, e mesmo cansada estende a mão, não sabendo depois como conciliar tudo o que tem para fazer, mas afinal seu amor merece e precisa de você, não é?! Todas as vezes que conquista algo importante para si ele fica doente, tem crise de ciúme, briga por qualquer besteira e lhe deixa na mão e aqueles mimos desaparecem até a sua primeira lágrima. Depois vem um pedido de desculpas e uma discreta queixa de que você está um pouco distante e ele sente sua falta, está nervoso, sobrecarregado, enxuga sua lágrima e você acredita.
Seu companheiro geralmente lhe compra o que está precisando para lhe mostrar que a quer bem, mesmo que você possa comprar, mas depois de uma briga, você se pega hesitante, acreditando que sozinha não conseguirá se prover. Este já é um sinal de que algo não está bem e que você já está se sentindo insegura e descrente de si. Mais um tempo neste morde e assopra e suas forças diminuirão aos poucos até se sentir feia, fraca e sem vontade de ser aquela mulher interessante e viva que já foi.
Assim, veladamente seu companheiro a violenta todos os dias sem que perceba. Por isso, minha amiga, se sua autoestima estiver diminuindo, sua energia vital se acabando, começa a acreditar que outras mulheres são ameaçadoras e que sem seu amor não será feliz, mesmo que nada aparentemente esteja acontecendo de ruim, acenda todas as suas luzes de alerta, corra, fuja, acorde e mude, pois você está numa enrascada e se tornou mais uma mulher que sofre de violência velada.

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

Ilustração: Ametista Mastrotti

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.