TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

* Jornal Enfim: desde 2010
http://jornalenfimscs.wix.com/jornal



PESQUISE ESTE BLOG

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Deus Serve de Bandeja


Imagine alguém num restaurante que frequenta há anos, com as companhias de sempre, com os pedidos de sempre, com as conversas de sempre. Tudo corre muito bem, ele está tranquilo, pois nada sai do padrão que conhece. A comida é boa e ele gosta, o preço não muda muito e isso é confortável. A música que ouve é a mesma, mas tudo bem, consegue até cantarolar alguns trechos, já decorou, fácil, fácil.
Na hora da sobremesa se aproxima um garçom, bem arrumado, todo bonitão, com uma bandeja farta e lhe serve uma sobremesa diferente como cortesia da casa. Ele nem olha, não se interessa, não dá a mínima atenção. O garçom, muito cortês, tenta mais uma vez oferecer as iguarias e explica que tem uma porção de frutas raras e deliciosas, mas ele insiste em pedir seu tradicional pudim, pois já sabe qual é o sabor e não quer se arriscar a experimentar o que não conhece, o garçom então, educadamente, atende seu pedido de sempre.
Já parou para pensar que sua vida pode estar exatamente como a desse indivíduo do tipo “de sempre”? Que assim como ele, você continua a viver da mesma forma para não sair da sua zona de conforto e por isso deixa passar oportunidades, que lhe são oferecidas de bandeja, para que experimente novas atitudes?
Já pensou em quantas vezes não encarou suas dificuldades, apenas para evitar experiências desafiadoras?
Já pensou que aqueles problemas, que prefere não resolver, podem ser sua chance de transformar sofrimentos que o atormentam há tempos?
Já pensou que Deus, no seu infinito amor, pode ser como um belo garçom lhe oferecendo de bandeja chances de desenvolvimento e você não aceita por puro comodismo e negligência com sua vida?
Já pensou em quantas possibilidades de libertação perdeu ao se recusar a agir de maneira nova, por não acreditar que pode estar enganado?
Já pensou nisso?

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

Fonte da Ilustração: Google


ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.