TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

PESQUISE ESTE BLOG

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Como uma Bordadeira


A vida de cada ser humano é uma caminhada particular e intransferível. Fica fácil pensar que o outro deve ser uma extensão de nós. Fica fácil pensar assim, mas é uma ilusão. Entender o estado interno de quem é diferente é uma tarefa que requer esforço e um mínimo de sensibilidade. Cada um tem seus recursos e suas dificuldades que em situações limite ficam evidentes. Ser verdadeiro com o outro nem sempre é possível pela lacuna que às vezes se forma nas diferenças, mas ser verdadeiro consigo mesmo faz diferença. Procurar se entender é um passo importante, mas esperar que o outro entenda já é pedir demais em certos momentos. Então o que fazer? Explicar? Só se alguém quiser ouvir, mas se não quiser, o jeito é aguentar o julgamento e seguir em frente. Não se pode, nem se deve, contentar a todos, pelo menos é melhor estar em paz lá no fundo do próprio coração e deixar que através do tempo sejam gerados novos resultados.

É comum pensarmos que sabemos o que é melhor para o outro e por isso interferimos desviando-o de suas opções, mas viver e deixar viver, talvez seja mais digno. Cada um precisa ter a oportunidade de aprender com suas escolhas, como uma bordadeira que com sua agulha e linha borda com atenção e refaz seus pontos toda vez que erra. Fazer e refazer quantas vezes forem necessárias sem palpites alheios. Cada bordadeira tem o direito de cuidar do seu bordado da forma que achar melhor. Cada qual tem o direito de viver o que escolhe da forma que achar melhor. Todos temos o direito de sermos como uma bordadeira.

Fonte da Ilustração: Google

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Santo Pé na Bunda


Meu Santo Pé na Bunda eu lhe rogo que me ampare.
Peço que não me deixe voltar para quem me mandou embora.
Peço que me faça compreender que ninguém é obrigado a me amar.
Peço Santo Pé na Bunda, que não me deixe chorar por mais de uma hora quando não for aprovada naquela entrevista de emprego que quero muito, muito, muito.
Santo Pé na Bunda não me deixe cair em tentação e ligar para o meu ex, só porque acho que ele estava em crise, mas que vai passar e ele vai voltar.
Meu Santo Pé na Bunda peço que me dê luz para perceber que nem sempre quem me quer longe deseja o meu mal.
Santo Pé na Bunda não permita que eu me vingue do meu amigo que me disse que sou uma chata e que está cheio das minhas lamúrias e que me verá só o ano que vem. Espero poder entender que preciso mudar.
Meu Santo Pé na Bunda me dê forças para aceitar que minha mãe não vai com a minha cara mesmo e que é melhor seguir em frente sem chorar.
Santo Pé na Bunda não me deixe desanimar só porque tem gente que não gosta de mim e não faz questão de esconder.
Meu santinho, a vida ta dura, às vezes não quero nem sair da cama, mas mesmo assim me dê forças para compreender que nada precisa ser como quero, ainda que eu queira mudar tudo.
Meu Santo Pé na Bunda acendo-lhe uma vela em agradecimento, pois sei que irá me atender e junto com a Santa Paciência sigo confiante que aguentarei firme todas as vezes que um pé acertar a minha bunda!
Que Assim Seja meu santinho!

Fonte da Ilustração: Google

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.