TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

PESQUISE ESTE BLOG

terça-feira, 27 de maio de 2014

O Injustiçado "Não"

google
 
O "Não" é um incompreendido, desvalorizado, rejeitado, achincalhado, e mais todos os sinônimos que se possa imaginar. O "Sim", não, esse é um querido, admirado, traz alívio e contentamento. Todos querem, poucos questionam.
Venho aqui em defesa do "Não", pois não posso permitir que tamanha injustiça permaneça sem que tenha ajuda. Quando ele se manifesta sempre é por uma opinião convicta, pode até ser questionável, nem tão louvável, como a de um covarde, por exemplo, mas, sem dúvida, existe plena certeza na posição. Há sinceridade nisto! Ele é capaz de impedir o bom andamento das coisas, eu sei, mas desperta coragem e empenho, existe algo melhor que isso?! Às vezes faz chorar, mas de que forma saberíamos dos nossos sentimentos mais profundos se não chorássemos? Gera teimosia, quando aquele que ouve não admite sequer refletir sobre suas razões, aliás, saber o motivo não é o forte de quem ouve o meu queridinho  "Não", geralmente surgem milhares de interpretações, uma mais cabeluda que a outra. Todas reflexo de quem as faz, é claro! Poucos perguntam "por que", se o fizessem saberiam a causa, que pode ser  nobre. Se existisse apenas o "Sim" seriamos mimados, faríamos, cada um no seu ritmo e vontade, o que mais nos agradasse e o nosso mundo seria insustentável! Milhares de quereres sem tolerância, limites ou bom senso. Quem pensa que os obstáculos são um mal que deve ser banido das nossas vidas, se engana, pois são os limites que nos obrigam a procurar uma resposta melhor do que aquela a que estamos acostumados. É através de sua barragem que o "Não" nos projeta à evolução que precisamos. É com ele que é possível descobrir coisas importantes, pois se tivéssemos apenas o "Sim" como resposta não teríamos motivo para buscar o novo. De certa forma, precisamos vencer o nosso primeiro desafio, a preguiça.
Poderia escrever e escrever para defender o "Não", mas parece-me de bom tamanho minha defesa e assim me despeço, desejando que não se indisponha com o próximo "Não" que receber, mas se esforce por isso, para ser melhor do que já é.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Sou

Me encho de perfume quando estou triste. Faço um oratório pra minha santinha quando o mundo parece masculino demais. Canto quando estou alegre. Acolho quando me comovo. Parto pra luta quando vejo injustiça. Não perdoo quando sou traída. Cozinho quando quero aconchegar. Abraço quando quero apoiar. Afasto-me quando desisto. Choro quando tenho minha fé abalada. Me calo quando não sou ouvida. Afago meu gato quando me sinto terna. Olho nos olhos quando falo o que penso. Escrevo quando tenho uma ideia que gosto. Faço o que acredito. Não faço o que não acredito. 

domingo, 11 de maio de 2014

Mãe Ausente

google

Nunca entendi bem por que meu pai guarda  uma colher de sopa que pertenceu a sua mãe, assim como não havia prestado atenção ao valor que tinha para minha mãe um lindo lenço cor de fogo todo florido que foi de sua mãe, que às vezes mostrava-me tirando-o de uma gaveta. Certas coisas não são  claras até o dia em que passamos pela mesma experiência e agora  entendo o motivo de usar um anel que era de minha mãe. Agora sei porque uma amiga da família, um dia apareceu trajando o vestido de sua mãe e num dado momento comentou: " hoje acordei com muita saudade de minha mãe e por isso vesti seu vestido".
A ausência da mãe sempre é sentida, seja ela por que motivo for. Por falta de seu afeto, porque foi embora, porque nunca se soube quem é ou pela sua morte. Esta mulher faz parte de todos os momentos, sejam eles felizes ou não. Ela é uma figura que nunca nos deixará pela importância que tem em nossas vidas. Mas que importância é esta? Parecemos bebês carregando aquele paninho que esfregamos no nariz para adormecer!  Precisávamos sentir o cheiro dela para nos dar segurança e tranquilidade.
O cheiro, o paninho, o vestido, o anel, o lenço, a colher, são objetos que representam um elo que jamais se rompe, mesmo que a mãe não esteja. Esse elo, tão importante, chama-se amor.
Certa vez, minha filha trouxe para casa uma gatinha recém-nascida para mamar na minha gata, que havia tido filhotes há uns 15 dias, ainda com o cordão umbilical pendurado em sua barriga. O começo foi muito difícil, pois não conseguia mamar, precisou de mamadeira e muita dedicação, até que um dia pode pegar na teta e assim prosseguiu. Minha Desirée não a rejeitava, mas também não acolhia com entusiasmo até que começou a lamber, limpar, carregar pelo cangote e aconchegar a pequenina ao seu corpo. Foi daí em diante que a filhotinha teve seu desenvolvimento acelerado e logo se tornou uma gatinha muito bonita e ativa. O que aconteceu? O amor aconteceu! Esta energia que alimenta, acalma, energiza, dá segurança, impulsiona para a vida. Da mesma forma para nós, os humanos, o amor provoca efeito idêntico e quando a mãe falta, buscamos uma maneira de mantermos vivo dentro de nós seu amor, que assegura a vida  e que experimentamos pela primeira vez em seu colo.

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.