TEXTOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são de autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É LIDO

* Jornal Enfim: desde 2010
http://jornalenfimscs.wix.com/jornal



PESQUISE ESTE BLOG

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Com a Cara Grudada no Umbigo


Você conhece alguém que tem a cara grudada no umbigo? Eu conheço!
Ele não é estranho não, se é que imaginou que fosse! É um sujeito comum, bem mais comum do que pode pensar. Aliás, é o que mais tem!
Ele costuma avaliar o que está ao seu redor a partir de uma visão, a sua. Tudo é como pensa, acredita e sente. Seus valores se baseiam nas próprias opiniões e por isso seu julgamento é unilateral, porque, lembre-se, ele tem a cara grudada no umbigo! De nada adiantará você argumentar, tentar mostrar que não é bem assim como ele diz. Sua opinião será a que lhe convier ou melhor, a que enxerga. Você pode se esforçar o máximo (não se esforce tanto), adiantará muito pouco, pois o sujeito dará um jeito de reverter tudo para o seu umbigo e assim você ficará com a sensação de que fala com uma parede. E fala!
Desista ou melhor, assuma que está diante de um cidadão que tem a cara grudada no umbigo. Que compreende a vida a partir de sua restrita observação. Que seu ego é do tamanho de um trem e que por isso não enxerga muito longe. Não se atrapalhe com ele, deixo-o como está. Se ocupe de outras coisas, fale com quem o escuta de verdade. Não gaste energia mais do que deve. Evite sentir-se um zero à esquerda perto dele, pois a frustração de não ser ouvido pode fazê-lo acreditar que não tem importância. Nada disso! É só um jogo. Uma forma de viver a vida, sempre se esquivando do que incomoda. Desta forma ele não cresce, mas é uma opção! Não deve ser a sua, se quiser viver mais amplo.
Estar em grupo é poder tolerar diferenças que às vezes geram danos, eu sei, mas é melhor conseguir conviver com estes sujeitos que tem a cara grudada no umbigo e não desistir de si mesmo, pelo cansaço que podem causar. Não desistir do seu próprio plano de vida  e investir com atenção na sua evolução, que também é chamada felicidade.
A natureza não dá saltos e por isso dê uma trégua  e deixe que cada um decida como quer viver. Siga em frente driblando sujeitos que tem a cara grudada no umbigo, porque a vida é muito mais que tudo isso que encontramos pelo caminho. É muito mais que essa Torre de Babel de cada dia dos nossos dias.
Boa sorte pra ti que eu vou tentando daqui!
© Direitos reservados a Ala Voloshyn

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.