DIREITOS AUTORAIS

Todos os textos aqui publicados são autoria de Ala Voloshyn.
Direitos autorais são protegidos pela Lei 9.610, de 19 de Fevereiro de 1968.

ONDE MAIS O QUE ESCREVO É VEICULADO

*Jornal Enfim: de 2010 até final de 2017
http://jornalenfimscs.wix.com/jornal

*Carlotas: 16 de dezembro de 2016

*Jornal Imprensa ABC: desde julho de 201
8
www.imprensaabc.com.br

*Blog do Pastore: desde 4 de agosto de 2019

* Voa Alto. Livro de autoria de Ala Voloshyn.
Editado pela Editora Gráfica Heliópolis

PESQUISE ESTE BLOG

quinta-feira, 19 de agosto de 2021

Por Quem Faz?

 

Por quem você faz o que faz?
É pelo outro? É por você?
Sei que sua vontade de ajudar, colaborar, tornar o mundo melhor é grande. Eu sei! Mas a frustração também é! Isto é, quando olha em volta e vê confusão, gente falando mal de gente, e o que é pior, gente sem um pingo de vontade em melhorar como gente. É desanimador! E você com toda essa vontade de ajudar, contribuir, com o que tem de melhor e o outro nem lhe dá atenção, não é mesmo? Ou pior, desvaloriza o que você faz com tanta dedicação e esforço.
Com tudo se repetindo, você se dedicando, fazendo o que acredita, se esmerando para dar o melhor, com resultado ainda distante de sua meta, que é ser alguém que realmente faz diferença na vida do outro, contribuindo para um mundo melhor.
Não é fácil essa meta, às vezes a frustração desanima e dá vontade de desistir de tudo, porque parece que o mundo não melhora, que nada adianta e no final das contas os egoístas levam a melhor, porque, pelo menos, alcançam seus objetivos.
E se você pensasse mais em si que no outro? E se fizesse o que faz por você? Porque gosta, te faz bem, é o que acredita, é o que dá sentido à sua vida, é o que te faz crescer como gente e te dá uma super satisfação. É o legado que quer deixar. O que acha?
Penso que se você faz por si, não precisa da aprovação externa, pode vencer bloqueios quando surgem, sente-se animado em se aperfeiçoar, mesmo que ninguém o anime para isto, capricha, busca conhecimento para se aprimorar, sente felicidade por fazer o que faz, pode confiar em si mesmo, pois cumpre o que determina fazer e acredita naquilo a que se dedica.
E pense bem, uma pessoa feliz, satisfeita, fiel aos seus propósitos, com vontade de evoluir, compartilha aquilo que tem de melhor, pois busca o melhor. Se puder sensibilizar e contribuir, ótimo! Que bom, houve com quem somar! Mas se não houve aceitação, tudo bem, não impõe  uma posição, crença ou atitude, pois não precisa disto. Se o sujeito não quiser ou não valorizar, não mudará sua satisfação. Impõe quem não faz por gosto ou porque segue determinações que não acredita. Precisa dividir sua insatisfação com alguém, não é? Então impõe como lhe é imposto!
Um mundo melhor se faz com seres humanos melhores, certo? E se você realiza o que de verdade lhe traz satisfação e crescimento, naturalmente contribuirá para um mundo melhor.
Por isso digo, faça primeiro por você e para você, para poder compartilhar o que há de melhor em ti. Não espere que alguém queira o que tem para dar, simplesmente dê e quem estiver pronto para receber, receberá e quem não estiver, não lhe dará motivos para desistir.

                                          ©Direitos reservados a Ala Voloshyn

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Temor

 


                                                   ©Direitos reservados a Ala Voloshyn

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Alerta

 


                                                    ©Direitos reservados a Ala Voloshyn

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Morte, Soberana Dama!

Soberana Dama é a que nos traz e a que nos leva!

Por toda vida nos acompanha, mas não entendemos seus sinais, quando mostra que o tempo está sob seu comando e  que devemos nos entregar com gosto às vivências.

Nos ensina sobre a transformação, onde cada experiência é uma chance para criarmos asas e alcançarmos os anjos. 

Nos faz chorar, se despedir, valorizar cada momento de vida,  suportar a dor na chegada e na partida. 

Nos lembra que devemos fazer o melhor que pudermos, sem adiar.

Soberana Dama, seu poder está na sua presença constante e diante de seu sopro  ajoelhamos,

perdoamos, desejamos merecer o perdão.

Soberana Dama, seu chamado é uma ordem.

Não há como negociar, não há como atrasar.

Reconhecemos Teu poder de decisão.

Sua maestria reflete a vida que construímos e nos oferece sua compreensão.

Aprendemos a temê-la, mas ignorantes foram os que nos ensinaram assim, pois Soberana Dama nos desvela, nos entrega a nós mesmos, nos tira as vestes, para outras vestes podermos vestir.

É Soberana Dama, das asas de luz, da altiva presença, que nos guia e assinala que mais vale a profundidade do viver que sua extensão.

Seu poder está na sua lição maior, onde nos ensina que a finitude de nossa presença é libertação, e nos coloca diante do compromisso de crescer, sem negligenciar.

Sustenta seu amor por nós, ao revelar sua face.

Soberana Dama, alicerce da vida!


©Direitos reservados a Ala Voloshyn

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Entre Os Mocinhos e Os Bandidos


   Estou entre os  mocinhos e os bandidos.

E eu não sou bandido.

Eu sou mocinho!

Então, eu fico do lado do mocinho.

Mas aí, o bandido diz que  mocinho é ele!

E que o mocinho é que é bandido!

E aí, como eu não quero ser bandido,

Vou pro lado do bandido que diz que é mocinho!

Aí, o mocinho diz que ele é que é mocinho!

Então se eu tô do lado do bandido, eu sou bandido também?

Daí, eu vou pro lado do mocinho!

Aí eu sou  mocinho, porque estou do lado do mocinho?

Mas o bandido diz que na verdade ele, o bandido, é que é mocinho!

E o mocinho é que é bandido!

E eu já não sei pra que lado eu vou!

Se eu vou pro lado do mocinho.

Ou se vou pro lado do bandido!

Quem é o bandido?

Quem é o mocinho?

Quem é bandido, quem é  mocinho?

Se o bandido diz que ele é  mocinho.

E o mocinho diz que ele é que é  mocinho!

Quem é o bandido, quem é o mocinho?

Se o bandido diz que ele é  mocinho

E o mocinho diz que o outro é que é  bandido.

E o bandido diz que o mocinho é que é  bandido!

E o mocinho diz que ele é que é  mocinho

E o bandido diz que mocinho é ele!

Quem é o bandido, quem é o mocinho?

Quem é  mocinho, quem é  bandido?

 Eu já não sei!

Eu quero ficar do lado do mocinho!

Porque eu quero ser mocinho!

Mas o bandido diz que o mocinho, que diz que é mocinho, é que é bandido!

E o mocinho diz que o outro é que é bandido!

Tô ficando cansado!

Não sei pra que lado eu vou!

Eu acho que eu não vou pra lado nenhum!

Não vou pro lado de ninguém!

Não vou pro lado de nada!

Eu já não sei mais quem é o mocinho!

Eu já não sei mais quem é o bandido!

Eu já não sei mais por que é que existem mocinhos!

Eu já não sei mais por que é que existem bandidos!

E eu acho que eu vou é dormir.

Ou assistir uma novela!

Porque lá eu sei quem é  mocinho e quem é bandido!

Agora aqui, do lado de cá, eu não sei!

Eu tô confuso, eu já não sei pra que lado ir.

Eu acho que eu vou é dormir mesmo!

Quem sabe amanhã eu acordo, melhor!

 

© Direitos reservados a Ala Voloshyn




quinta-feira, 25 de março de 2021

Sem Medo de Mim

 Não, não, eu não me distraio! 

Não, eu não fujo de mim. Eu me olho. Eu me olho nos olhos. Não fujo, não!
Não, não, não me distraio. Não me distraio com barulhos do externo. Não, eu não me distraio.
Mesmo que pareça distraída. Não! Estou atenta. Eu me olho. Eu me escuto. Eu me sinto. Eu me penso. Eu não fujo de mim.
Meu Inferno... Ah, meu Inferno! Conheço bem! Tantas vezes estive lá! Também com medo, de não conseguir sair. Mas eu sempre saio. Assim como entro. Sem hesitar! Quando percebo, já fui. A vasculhar gavetas, subsolos, esconderijos. Facetas que não gosto, que não conheço. Mas estão lá, sempre a minha espera. Pra que eu as olhe.
E assim me olho. Me olho nos olhos. Não há como evitar. Não quero evitar.
Vou ao meu Inferno. Sei o caminho! Saio dele, porque conheço o caminho. Eu não fujo de mim. Eu não me evito. Eu me olho. Nos olhos. E cada vez mais me reconheço.
Me sei. Cresço. Me amparo. Não me envergonho de mim. Quanto mais me olho, mais me vejo!
Sou a bússola que me norteia.

                                                             *Ilustração: Colagem por Ala Voloshyn 
                                             
                                                     © Direitos reservados a Ala Voloshyn

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Em Poucas Palavras

Se soubesse o que sei,

não faria o que fiz.

Mas!

Se não fizesse o que fiz,

não saberia o que sei.


Ilustração: Acrílica sobre tela por Ala Voloshyn 

© Direitos reservados a Ala Voloshyn

ARQUIVO DO BLOG

NOTA

As fotos utilizadas neste blog são da web ou de amigos, como Bell Felipe, Jac Rizzo (http://jacrizzo.blogspot.com), Adriane (http://tramasecacos.blogspot.com). As telas de pintura são de minha autoria.